Las dificultades de aprendizaje desde la perspectiva de los involucrados en el proceso educativo

Palabras clave: Dificultades de aprendizaje, Proceso de enseñanza-aprendizaje, Rendimiento escolar, Learning

Resumen

Las dificultades de aprendizaje se caracterizan como obstáculos o barreras experimentadas por los estudiantes durante la fase de escolarización, y estos obstáculos están relacionados con la aceptación o asimilación de los contenidos propuestos. En este contexto, este estudio presenta un análisis de las percepciones de los principales implicados en el proceso educativo: estudiantes, profesores, coordinación pedagógica y padres/tutores - sobre dificultades de aprendizaje. La investigación se llevó a cabo en una escuela privada, ubicada en el municipio de Viamão, en Brasil. El estudio tuvo su enfoque metodológico basado en métodos mixtos. Los resultados muestran que las dificultades de aprendizaje son una realidad, y éstas se atribuyen a varios factores, como la falta de contextualización en el proceso de enseñanza, mencionado principalmente por los estudiantes, y la falta de interés en el propio estudio, principalmente por los maestros como justificación para el bajo rendimiento escolar de sus estudiantes. Ante este polémico, es evidente la importancia de que se fomente la investigación encaminada a investigar las dificultades de aprendizaje y sus factores asociados, ya que son fundamentales para la planificación de acciones encaminadas a la solución de este Problemas, mejorando el proceso pedagógico.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Bannell, R. I., Duarte, R., Carvalho, C., Pischetola, M., Marafon, G., & Campos, G. H. B. de. (2016). Educação no século XXI: Cognição, tecnologias e aprendizagens. Rio de Janeiro: Editora PUC.

Basso, N. (2010). Educação corporativa: a formação do homem enquanto cidadão. In E. M. do S. Soares & T. A. Luchese (Eds.), Educação, educações: história, filosofia e linguagens (pp. 161–182). Caxias do Sul: EDUCS.

Capellini, S. A., & Conrado, T. L. B. C. (2009). Desempenho de escolares com e sem dificuldades de aprendizagem de ensino particular em habilidade fonológica, nomeação rápida, leitura e escrita. Revista CEFAC, 11(2), 183–193.

Carvalho, M. E. P. de. (2004). Modos de educação, gênero e relações escola–família. Cadernos de Pesquisa, 34(121), 41–58.

Carvalho, M. E. P. de. (2009). Uma difícil e necessária parceria mediada pelo polêmico dever de casa. Cadernos Cenpec, (6), 93–107.

Chassot, A. (2014). Para que(m) é útil o ensino? (3o). Ijuí: Editora Unijuí.

Chassot, A. (2016a). Alfabetização científica (7o). Ijuí: Editora Unijuí.

Chassot, A. (2016b). Das disciplinas à indisciplina (1o). Curitiba: Editora Appris.

Cortella, M. S. (2016). A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos (15o). São Paulo: Editora Cortez.

Costa, J. A., Ventura, A., Neto-Mendes, A., & Martins, M. E. (2013). Reforço escolar: análise comparada dos meandros de um fenômeno em crescimento. Educação Unisinos, 17(3), 205–214.

Creswell, J.W. (2010). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Editora Artmed.

Creswell, John W, & Clark, V. L. P. (2013). Pesquisa de Métodos Mistos (2o). Porto Alegre: Editora Penso.

Dal-Farra, R. A., & Fetters, M. D. (2017). Recentes avanços nas pesquisas com métodos mistos: Aplicações nas áreas de educação e ensino. Acta Scientiae, 19(3), 466–492.

Dal-Farra, R. A., & Lopes, P. T. C. (2013). Métodos Mistos De Pesquisa Em Educação: Pressupostos Teóricos. Nuances: Estudos Sobre Educação, 24(3), 67–80.

Damasceno, I., Damasceno, M. J. P., & Damasceno, I. A. P. (2015). Aprendizagem significativa: reflexão para os atores educacionais com ênfase na disciplina de química. 8o ENFOPE, 1–10. Aracaju.

De Quadros, A. L., Carvalho da Silva, D., Pereira de Andrade, F., Aleme, H. G., Rodrigues Oliveira, S., & De Freitas Silva, G. (2011). Ensinar e aprender Química: a percepção dos professores do Ensino Médio. Educar Em Revista, (40), 159–176.

Dorneles, E. P. (2015). O uso de diferentes metodologias na construção do processo de ensino e aprendizagem em química. VIII Encontro de Pesquisa Em Educação, 13. Uberaba.

Feitosa, F. B., Prette, Z. A. P. Del, & Matos, M. G. de. (2006). Definição e avaliação das dificuldades de aprendizagem (I): Os impasses na operacionalização dos distúrbios de aprendizagem. Revista de Educação Especial e Reabilitação, 13(I), 33–46.

Fevorini, L. B., & Lomônaco, J. F. B. (2009). O envolvimento da família na educação escolar dos filhos : um estudo exploratório. Psicologia Da Educação, 28(1975), 73–89.

Fonseca, V. da. (2016). Importância das emoções na aprendizagem: uma abordagem neuropsipedagógica. Revista Psicopedagogia, 33(102), 365–384.

Giugno, J. L. D. P. (2004). Concepções socioistóricas: uma perspectiva para a redefinição das práticas educativas. In C. M. Dotti (Ed.), Educação: as faces do novo (pp. 89–100). Caxias do Sul: EDUCS.

Lima, J. O. G. de. (2012). Do período colonial aos nossos dias: uma breve história do Ensino de Química no Brasil. Revista Espaço Acadêmico, 12(140), 71–79.

Lüdke, J. P. R., & Lüdke, E. (2011). Um Estudo sobre Avaliação de Desempenho de Vestibulandos no Aprendizado de Química Inorgânica para Definição de Critérios para uma Intervenção Cognitiva. Química Nova Na Escola, 33(4).

Machado, A. H. (2014). Aula de química: discurso e conhecimento (3o). Ijuí: Editora Unijuí.

Maldaner, O. A., & Zanon, L. B. (2010). Pesquisa educacional e produção de conhecimento do professor de química. In W. L. P. dos Santos & O. A. Maldaner (Eds.), Ensino de Química em foco (p. 368). Ijuí: Editora Unijuí.

Marcondes, M. E. R. (2008). Proposições metodológicas para o ensino de Química. Em Extensão, 7, 67–77.

Moraes, R., & Galiazzi, M. do C. (2016). Análise Textual Discursiva (3o). Ijuí: Editora Unijuí.

Perazzolo, O., & Stecanela, N. (2012). Aprendizagem como fenômeno relacional: perspectivas antropogênicas da função educativa. In E. M. do S. Soares & T. A. Luchese (Eds.), Interlocuções na educação: história, filosofia e linguagens (pp. 65–82). Caxias do Sul: EDUCS.

Pereira, S., & Azevedo, T. M. de. (2012). Repetir ou transformar? uma análise dos “espaços de aprender” nas interações família-criança-escola. In E. M. do S. Soares & T. A. Luchese (Eds.), Interlocuções na educação: história, filosofia e linguagens (pp. 83–100). Caxias do Sul: EDUCS.

Schnetzler, R. P. (2010). Apontamentos sobre a história do ensino de Química no Brasil. In W. L. P. dos Santos & O. A. Maldaner (Eds.), Ensino de Química em foco (p. 368). Ijuí: Editora Unijuí.

Silva, C. S. de S. da. (2019). Os jovens, as ciências e os desafios ambientais: opiniões, interesses e atitudes dos estudantes do ensino médio do município de Canoas/RS. (Tese de doutoramento) Universidade Luterana do Brasil, Canoas, Brasil.

Silva, L. da. (2010). Estado do conhecimento: Recuperação da aprendizagem e do reforço escolar na rede estadual paulista (1999 a 2009). (Dissertação de mestrado) Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Araraquara, Brasil.

Smith, C., & Strick, L. (2012). Dificuldades de aprendizagem de A a Z: um guia completo para pais e educadores (1o). São Paulo: Penso Editora Ltda.

Souza, D. S. de. (2018). O reforço escolar como ferramenta auxiliar na aprendizagem da Química no Ensino Médio. (Dissertação de mestrado). Universidade Luterana do Brasil, Canoas, Brasil.

Stecanela, N. (2004). Um olhar para além do fracasso escolar. In C. M. Dotti (Ed.), Educação: as faces do novo (pp. 215–229). Caxias do Sul.

Trevisan, T. S., & Martins, P. L. O. (2006). A prática pedagógica do professor de química : possibilidades e limites. UNIrevista, 1(abril), 1–12.

Zorzi, J. L., & Ciasca, S. M. (2008). Caracterização dos erros ortográficos em crianças com transtornos de aprendizagem. Rev CEFAC, 10(3), 321–331.

Publicado
2019-12-01
Cómo citar
Silva, C. S. de S. da, & Souza, D. S. de. (2019). Las dificultades de aprendizaje desde la perspectiva de los involucrados en el proceso educativo. Revista De Estilos De Aprendizaje, 12(24), 53-62. Recuperado a partir de http://revistaestilosdeaprendizaje.com/article/view/1316
Sección
ARTÍCULOS DE INVESTIGACIÓN CIENTÍFICA ABIERTA