Mulheres empreendedoras em ambientes de coworking da cidade de São Carlos-Sp-Brasil: uma análise dos estilos de aprendizagem e dos perfis de liderança e proposta de um programa de capacitação

  • Ana Teresa Colenci Trevelín Faculdade de Tecnologia de São Carlos

Resumen

O objetivo desta pesquisa foi verificar quais estilos de aprendizagem e perfis de liderança se mostram predominantes em mulheres empreendedoras nos ambientes de Coworking, tomando-se como referência a cidade de São Carlos, Capital da Tecnologia para, em seguida se propor um programa de capacitação para mulheres empreendedoras nascentes. Partiu-se da premissa que a identificação destas características permita melhor compreensão de suas competências gerenciais para o desenvolvimento de programas de capacitação específicos. Assim sendo, buscou-se identificar e explorar as atividades representativas nesses ambientes organizacionais se que mostram modernos, flexíveis, interativos e criativos. Através de revisão bibliográfica, optou-se por uma metodologia qualitativa, perscrutando os mais destacados casos deste locus, tomando-se como instrumentos de coleta de dados para a identificação dos estilos de aprendizagem, o Inventário dos Estilos de Aprendizagem de Felder e Soloman (2008) e, para a identificação dos perfis de liderança de mulheres, a aplicação de entrevistas semiestruturadas. Como resultado desta pesquisa, desenvolveu-se e aplicou-se o Programa Fatec Mulher Empreendedora Nascente: do lar para a gestão de negócios, criando novas oportunidades de atualização e de habilitação sobre os novos temas decorrentes dos rápidos processos de inovação tecnológica e de gestão exigidos pelos novos negócios.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Alonso, C.M. Gallego, D.J.Y & Honey, P. (1994). Los Estilos de Aprendizaje, Procedimientos de Diagnóstico e Mejora. 4ed. Madrid: Ediciones Mensajero.

Adner, R.; Kapoor, R. (2010). Value creation in innovation ecosystems: How the structure of technological interdependence affects firm performance in new technology generations, Strategic Management Journal, Wiley-Blackwell, 31(3), 306-333.

Amoretti, M. S.; Tarouco, L. M. (2000). Mapas Conceituais: Modelagem colaborativa do conhecimento. Revista Informática na Educação: Teoria & Prática, PGIEUFRGS, V. 3 N° 1. Setembro, 2000. Disponível em www.rautu.unicamp.br/nourau/ead/document/?down=12

Audy, J.; Piqué, J. (2017). Dos parques científicos e tecnológicos aos ecossistemas de inovação. [Recurso eletrônico on-line]: Desenvolvimento social e econômico na sociedade do conhecimento / Jorge Audy, Josep Piqué. – Brasília, DF: ANPROTEC, 2016.

Avolio, B. J., Walumbwa, F. O., & Weber, T. J. (2009). Leadership: current theories, research, and future directions. Annual Review of Psychology, 60, 421-449. doi: 10.1146/annurev.psych.60.110707.163621

Baldin, L. (1970). Análise de Conteúdo. Lisboa: 70.

Bergamini, C. W. (1994). Liderança: administração do sentido. São Paulo: Atlas.

Campos, J. G. C., Teixeira, C. S., & Schmitz, A. (2015). Coworking Spaces: Conceitos, Tipologias e Características. Joinville. In: V Congresso Internacional do Conhecimento e Inovação - ciKi. Anais do V Congresso Internacional do Conhecimento e Inovação.

Castells, M. (2000). O fim do Patriarcalismo: movimentos sociais, família e sexualidade na era da informação. O Poder da Identidade. São Paulo: Paz e Terra.

Cerchiaro, I.; Ayrosa, E. A. T.; Zouain, D. M. (2009). A aplicação de abordagens feministas na pesquisa em administração. Cadernos Ebape.Br, Rio de Janeiro, 7(4), 649-664.

Colenci Jr. A. (2015) Inovação Produtiva e Competitividade Sistêmica. Palestra: Fatec Sertãozinho- CEETEPS.

Crawford, R. (1994) Na era do capital humano. SP: Atlas.

Duff, A. (2004). Approaches to learning: the revised approaches to studying inventory. Active Learning in Higher Education, London, 5(1), 56–72.

Drucker, P.(1968). Uma era de descontinuidade: orientação para uma sociedade em mudança. São Paulo. Círculo do Livro.

Dunn, R.; Dunn, K. (1978). Teaching students through their individual learning styles: a practical approach. Reston, VA: Reston Publishing Co.

Dunn, R.; Dunn, K.; Price, G. E. (1982). Productivity environmental preference survey. Lawrence, KS: Price Systems.

Entwistle, N. J.; Tait, H. (1995). The revised approaches to studying inventory. Edinburgh, UK: University of Edinburgh Centre for Research on Learning and Instruction.

Eagly, A. H., & Carli, L. L. (2003). The female leadership advantage: An evaluation of the evidence. The Leadership Quarterly, 14, 807-834.

Etzkowitz, H; Leydesdorff, L.(1995). Universities and the global knowledge economy: a triple helix of university-industry-government relations. Amsterdam: University of Amsterdam.

Felder, R. M.; Silverman, L.K. (1988). Learning and Teaching Styles in Engineering Education. Engineering Education, 78(7), April, 674-681.

Felder, R. M. (1993). Reaching the Second Tier: Learning and Teaching Styles in College Science Education, J. College Science Teaching, 23(5), 286-290.

Felder, R M. & Soloman, B. A. (1987). Learning Styles and Strategies; North Caroline, NC; North Caroline State University;. Traduzido por Marcius F. Giorgetti e Nídia Pavan Kuri. 1987.

Felder, R. M.; Soloman, B. A. (1991) Index of Learning Styles. Disponível em: <http://www.ncsu.edu/felder-public/ILSpage.html>.

Fleming, N. D. (2001). Teaching and learning styles: VARK strategies. Christchurch, New Zealand: N. D. Fleming.

Garcia, J. (2013). Como se tornar uma mulher de sucesso no trabalho. São Paulo: Tecnoprint, 1990., Journal of Product Innovation Management, 30(1), 2-18.

Giddens, A. (2005). Sociologia. 6ª ed. Artmed.

Global Entrepreneurship Monitor (GEM). (2008). Empreendedorismo no Brasil. Curitiba: IBQP, 2008. 167.

Gregorc, A. F.; Ward, H. B. (1977). A new definition for individual: implications for learning and teaching. NASSP Bulletin.

Gregorc, A. F. (1985). Inside styles: beyond the basics. Maynard, MA: Gabriel Systems.

Jornal Primeira Página (2012). "Sanca Hub reúne startups de São Carlos", Jornal Primeira Página disponível em: http://www.jornalpp.com.br/cidades/item/23522-sanca-hub-re%C3%BAne-starups-de-s%C3%A3o-carlos.

Keirsey, D.; Bates, M. (1990). Por favor, Compréndeme: Tipos de carácter y temperamento. Prometheus Nemesis Book Company, Del Mar, CA, U.S.A.

Kitchenham, B. (2004). “Procedures for performing systematic reviews,” Keele, UK, Keele Univ., 33, 21–26.

Kolb, D. A. (1984). Experimental learning: experience as the source of learning and development. New Jersey: Prentice-Hall, Englewood Cliffs.

Kon, A. (2016). Ecossistemas de inovação: a natureza da inovação em serviços. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, 7(1).

Koslowsky, M.N. Speroni, R.M. Gauthier, A.O. (2015). Ecossitemas de Inovação: Uma revisão sistemática da Literatura. Espacios. 36 (3).

Larouche, J. & Ryan, R. (1991). Estratégias para mulheres no trabalho. São Paulo: Makron, McGraw-Hill.

Loden, M. (1988). Liderança feminina: como ter sucesso nos negócios sendo você mesma. São Bernardo do Campo, SP: Bandeirante.

Lum, L.; Bradley, P.; Rasheed, N. (2001). Accommodating learning styles in international bridging education programs. Higher Education, Skills and Work-based Learning, 1(2), 147-168.

Madov, N. (2018). Coworkings só para mulheres fazem sucesso em Nova York. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/sobretudo/carreiras/2018/08/1978060-coworkings-so-para-mulheres-fazem-sucesso-em-nova-york.shtml.

O’Connor, G. C. & Rice, M. P. A (2013). A comprehensive model of uncertainty associated with radical innovation. Journal of Product Innovation Management, 30 (S1), 2-18

Pounder, J.S.; Coleman, M. (2002). Women: Better liders than men? In General and Education Management it still “all depends”. Leardership & Organization Development Journal. 23(3), 122-133.

Prefeitura Municipal (2018). "SancaHub vai realizar ações permanentes de fomento ao empreendedorismo, tecnologia e inovação" disponível em: http://www.saocarlos.sp.gov.br/index.php/noticias-2017/171436-sanca-hub-vai-realizar-acoes-permanentes-de-fomento-ao-empreendedorismo-tecnologia-e-inovacao.html.

Pereira, A. L. (2014). A liderança como um fator de diferencial competitivo. Periódico Científico Negócios em Projeção V.5, N.1.

Rezende, M. (2018). Ecossistemas de inovação em São Carlos. Revista Maria Aires. Ano 5. 16a ed. Setembro.

Sant'anna, L. L., Paschoal, T., & Gosendo, E. E. M. (2012). Bem-estar no trabalho: relações com estilos de liderança e suporte para ascensão, promoção e salários. Revista de Administração Contemporânea, 16(5), 744-764. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rac/v16n5/v16n5a07.pdf. doi: 10.1590/S1415-65552012000500007

Teixeira, S. (2001). A gestão das organizações. Amadora: McGraw-Hill.

Trevelin, A. T. C. (2007). A relação professor aluno estudada sob a ótica dos estilos de aprendizagem: análise em uma Faculdade de Tecnologia - Fatec. (Tese doutorado, Universidade de São Paulo).

Vergara, S. C. (2007). A liderança aprendida. FGV Executivo, 6 (1), 61-65.

Publicado
2019-12-01
Cómo citar
Colenci Trevelín, A. T. (2019). Mulheres empreendedoras em ambientes de coworking da cidade de São Carlos-Sp-Brasil: uma análise dos estilos de aprendizagem e dos perfis de liderança e proposta de um programa de capacitação. Revista De Estilos De Aprendizaje, 12(24), 3-17. Recuperado a partir de http://revistaestilosdeaprendizaje.com/article/view/1260
Sección
ARTÍCULOS DE INVESTIGACIÓN CIENTÍFICA TEMÁTICA: Vol. 13. Núm. Esp. (2020)